segunda-feira, 14 de maio de 2018

CITAÇÕES: São Bento e sua mensagem

Quantas vezes lemos todo um livro e ao final temos a sensação de que não lembramos do que foi lido?
Ou ainda, lemos livros que nos trazem lições valiosas e rapidamente esquecemos dos trechos que mais nos tocaram ou ensinaram algo?

Para mim, um jeito de melhor aproveitar a leitura sempre foi sublinhar o livro todo, criar meus próprios sinais indicativos dos trechos mais relevantes e colecionar minhas citações preferidas.
Em sala de aula sempre colocava uma dessas citações no cantinho do quadro, pensando que talvez inspirassem ou fossem úteis a alguns dos alunos.
Resolvi agora, até como um registro de minhas leituras, vez por outra compartilhar algumas das citações destacadas, também como uma forma de sugerir livros que me fizeram bem. Não se trata de um resumo do livro e nem substitui a leitura dele.

O primeiro deles será o livro "São Bento e sua mensagem", de Anselm Grün".
Os trechos em negrito foram retirados, pelo autor, diretamente da Regula Benedict, regras de São Bento para a vida e trabalho nos mosteiros.


"Bento permanecia consigo mesmo, ele não se dispersava em ações".
"Em todos os lugares estamos com Deus, até mesmo em coisas bem mundanas".
"A vida diante de Deus nos leva a um autoconhecimento cada vez mais profundo".
"Deus nos fala antes mesmo de lhe dirigirmos a pergunta".
"Não existe diferença temporal entre as falas de Deus na Bíblia e nós, hoje".
"Reconhece-se o sábio em suas poucas palavras (RB 7,60)".
"A crença em Deus se concretiza numa crença na boa essência de nosso semelhante; É necessário levar a sério a presença de Cristo no nosso irmão". "Respeito diante da presença de Deus no ser humano".
"Não há contradição entre trabalho e oração".
"O trabalho deve ajudar-nos a orar bem, e a oração deve ajudar-nos a realizar corretamente o nosso trabalho".
"Na oração soltamos o trabalho, [...] A oração nos liberta de uma preocupação grande demais a respeito de nosso trabalho. [...] A oração nos mostra as razões que nos movem durante o trabalho".
"A motivação do trabalho é mais importante do que seu êxito".
"O trabalho só é um serviço divino quando não nos apegamos a ele, quando não o utilizamos para nossa autoafirmação ou o reconhecimento pelos outros. Percebemos que alguém está servindo a Deus e não a si mesmo com seu trabalho, quando ele também se predispõe a aceitar outro trabalho quando as necessidades da comunidade assim o exigirem".
"A presença de Deus marca nosso jeito de trabalhar".
"Só quem é suficientemente forte a ponto de aceitar as próprias fraquezas pode suportar e amparar os fracos".
"O espírito de Deus liberta para a objetividade".
"Promover a paz não é um programa que se possa exibir em uma bandeira, ele deve partir de uma paz interior".
"Nossa reação normal às fraquezas dos subalternos é sentir aborrecimento e raiva. Todos gostariam de se sentir orgulhosos da comunidade que presidem".
"A condição para a paz numa comunidade é que cada um consiga lidar corretamente com suas necessidades".
"É sobretudo o vício da queixa que não deve aflorar em nenhuma palavra e em nenhuma menção, pois isso pode constituir-se num estímulo" (RB 34,6).
"Não conseguiremos fazer muita coisa se ficarmos lamentando-nos constantemente". "Parem de se queixar".
"Um dos mais importantes desafios para nós hoje é tornarmo-nos pessoas positivas, que conseguem construir sem destruir os outros".
"Observamos hoje uma crescente aversão aos vínculos, [...] querem deixar todas as portas abertas e, antes que percebam, todas as portas foram fechadas".
"A ordem é um fator de cura. Aquele que se submete a uma ordem externa, aprende que com isso também consegue organizar seus estados emocionais".
"Tolerar-se mutuamente é um elemento essencial da comunidade autêntica. Naturalmente isso não quer dizer que se deve engolir tudo".
"Não discutam sobre serviço por mais tempo do que ele levaria para ser realizado".

quinta-feira, 26 de janeiro de 2017

Creio na Santa Igreja Católica

Quando criança, mesmo sendo católica, estudei na Escola Adventista, aonde tive excelentes professores e um cuidadoso ensino religioso. Era costume da escola levar os alunos à Igreja, que fica junto da escola, e nos incentivar a participar de algumas celebrações. Eu achava bonito o quanto todos se conheciam e pareciam se querer bem.

Mais tarde, tive a alegria de me tornar membro do Movimento de Cursilhos de Cristandade, e a partir dele descobrir que também entre católicos é possível ter aquele sentimento de comunidade. A partir de então, quando participo da missa em Guarapuava, conheço a maioria dos padres e eles também me conhecem, muitos ali presentes sabem da minha família, nos visitam quando temos problemas, preocupam-se com as nossas perdas, curtem as nossas alegrias, ouvem até mesmo os nossos conselhos. Quando participo da missa em Guarapuava, estou entre amigos, estou em família.

Não abro mão deste sentimento de comunidade por nada. Nenhuma espiritualidade cultivada na solidão supre o que a comunidade me fornece.

Essa comunidade tem uma história incrível, de muitos e graves erros, mas também de enormes acertos que nos trouxeram até aqui e contribuíram para muitas das conquistas de que usufruímos até hoje não apenas como católicos, mas como pessoas e cidadãos.

Durante o período de férias, em que tive o privilégio de poder passar alguns dias fora da rotina, no litoral, tive a oportunidade de participar da missa em uma igreja que não é a minha, de todas as semanas.

Nos mesmos dias em que eu estava lá, alguns acontecimentos agitavam a minha igreja, pedaço da minha casa, em Guarapuava.

Participar de uma celebração em uma igreja “desconhecida” me fez refletir sobre tais acontecimentos. Foi muito interessante celebrar com um padre cujo nome eu nem sei. Também não conhecia qualquer dos ministros da Eucaristia. Não tenho ideia de quem eram as pessoas cantando, proclamando as leituras e tudo o mais. Não conheço o passado daquelas pessoas, suas profissões, se são bons vizinhos, esposos fieis ou não... Não sei nada disso e não preciso saber.

Foi muito interessante participar da missa e perceber que as pessoas que estão ali são simplesmente instrumentos passageiros, como também eu sou. Perceber que por mais que eu tenha padres amigos, a quem admiro muito e por quem tenho enorme carinho, a minha fé e a minha participação na Igreja não dependem deles.

A cada celebração temos a oportunidade de repetir que cremos em Deus Pai, que cremos em Jesus Cristo e que cremos na Santa Igreja Católica.

Em nenhum momento rezamos que cremos no bispo ou neste ou naquele padre.

Ao contrário, quando a eles nos referimos pedimos (diretamente a Jesus já presente na Eucaristia) que, junto com a Igreja (e assim junto conosco), cresçam sempre em caridade.

É o que pretendo continuar sempre pedindo para mim, para os padres, religiosos e religiosas e todos os demais.

Isso não significa que eu ignore as decepções que seres humanos podem nos causar. Isso não significa que erros não devam ser investigados.

Fui a uma Igreja em que eu não conhecia ninguém, mas eu sou absolutamente conhecida pelo único que lá me interessava: Cristo. Eu não o conheço completamente, mas Ele me conhece e, ainda assim, me ama e me aceita.


É por Ele que seguimos, apesar das pessoas, apesar de nós mesmos.

segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Apenas células?

Recentemente passei por duas experiências marcantes na vida de qualquer pessoa e especialmente na vida de uma mulher. Tive a alegria de saber que estava grávida e a tristeza de saber que o meu bebê havia parado de se desenvolver com 9 semanas de vida.

Já havia lá um forte coração que ainda na sexta semana de gestação eu e o pai dele ouvimos.

Na oitava semana o coração ainda batia forte, mesmo em um corpinho de apenas 2 centímetros, aonde os dois hemisférios cerebrais já começavam a ser vistos na ecografia.

Não era o plano divino que esta vida continuasse conosco e eu agora já assimilei muito bem isto, compreendendo que tudo concorre para o bem dos que amam a Deus. Sempre.

Porém, algo que vi publicado nas redes sociais há alguns dias quase me causou mais pesar do que a perda do bebê.

Foi muito doloroso ler uma publicação afirmando que até a 12ª semana trata-se apenas de um amontoado de células.

Eu gostaria então de dizer a quem compartilhou e acredita nisto que eu e meu marido não perdemos um amontoado de células, nós perdemos um filho ou uma filha.

Afirmações do tipo “a mulher é dona do seu corpo” nunca me convenceram, afinal de contas: e do corpo do bebê, quem é dono? Mas agora, depois de ter vivido a experiência de ser mãe estou ainda mais convencida de que durante os dias em que tive meu bebê comigo eu é que pertencia a ele.

Penso que levar ou não adiante uma gestação é decisão que recai sobre a consciência dos pais, cabendo a estes decidir sobre seus padrões morais e as consequências de suas escolhas, sendo discutível até que ponto cabe ao Estado interferir.

O que não admito é que se afirme que não se trata de uma vida. Independentemente das circunstâncias em que tenha sido gerada.

A palavra aborto é apenas um nome mais específico para uma realidade que não há como esquecer: em muitos casos esta palavra se refere sim  a uma morte e em outros tantos se refere a um assassinato.

domingo, 9 de agosto de 2015

Cuide da minha joia



“Cuide da minha joia”

Há quem diga que o ritual do pai levar a filha até ao altar, aonde a entrega ao genro, seria uma celebração do machismo e de relações patriarcais, em que a mulher sairia do jugo de um homem passando a ser propriedade de outro.
É possível que tenham pequena medida de razão.

Mas eu aqui vejo a celebração de anos de depósitos diários de amor, dedicação, preocupação, sono perdido, alegria, orgulho e cuidado com tantas pequenas e grandes necessidades e aprendizados que um filho proporciona. Aqui eu vejo as recordações da vida toda passando enquanto se caminha pelo corredor da Igreja com a sensação de segurar ainda a mão de uma menininha.

Ali o coração e a garganta apertam. Ali a pergunta é: “amará como eu amo”?

O passo seguinte é o respeito à decisão da filha, o reconhecimento à coragem do genro (coragem que um dia também teve diante de outro grande pai e imitando o seu próprio) e ainda mais amor, agora aos dois. É um ato de confiança em Deus e em tudo que passou a vida sendo e ensinando: “agora é com vocês”.

Um abraço, um beijo e uma recomendação ao novo filho: “cuide da minha joia”. Todos aplaudem porque sabem que grande pai você é.

Com confiança e com a mesma medida de cuidado foi que meu pai fez de mim o que eu sou. Acompanhando cada pequeno e grande passo, sentindo as ausências, permitindo voos e me amando incondicionalmente.

Caráter, seriedade, simpatia, amor a Deus e disposição que deixaram e deixam marcas em mim e no meu irmão e nos serão sempre grande inspiração.

Obrigada pai por ter sempre feito com que eu me sentisse uma joia. Obrigada por ser generoso com sua joia.

Muito obrigada por ser tão pai, pai!

segunda-feira, 20 de julho de 2015

Dia do Amigo



O Dia do Amigo é realmente um dia que vale a pena ser lembrado e aproveitado para se enviar um abraço, um oi, uma foto, seja o que for, para aqueles que preenchem a nossa vida de alguma maneira especial.

Nestes tempos em que precisamos estudar tanto, trabalhar mais ainda, incentivados sempre à competitividade, talvez fique cada vez mais difícil encontrar verdadeiros amigos. Encontrar pessoas com quem nos identificamos e que sintam como suas as nossas alegrias e tristezas, nossos sucessos e frustrações.

Graças a Deus tenho várias dessas pessoas na minha vida.

Pensando nisto lembrei hoje de duas passagens bíblicas que nos devem servir sempre como alerta nos nossos relacionamentos.

Uma foi a parábola do filho pródigo, ou, melhor ainda, do Pai Rico em Misericórdia. Recordei aí a figura do irmão mais velho, indignado pelo fato do Pai celebrar o retorno do mais jovem, chateado porque sempre esteve ao lado do pai e parece não se sentir reconhecido. A ele o pai apenas diz: você não sabe que tudo o que é meu, é teu? (Lc 15,31)

Outra parábola fala de um empregador que durante todo o dia convidou pessoas para com ele trabalhar e ao final da jornada remunerou a todos da mesma maneira, sem diferenciar os primeiros dos últimos. Os da primeira hora também ficam indignados e ouvem do empregador: por acaso não estou distribuindo do que é meu? Por acaso não estou lhes pagando exatamente o que prometi desde o início? (Mt 20, 13-16)

Como é revigorante conviver com pessoas que cuidam de seus próprios interesses, correm atrás de suas metas, sabendo que seu sucesso depende só de si, sem qualquer relação com o sucesso alheio. Se o outro é reconhecido, isto nada muda no reconhecimento que meus esforços também merecem. Se o que me foi prometido está garantido, nada me importa sobre o que é prometido aos demais.

O sentido que dou à minha vida, meus estudos ou meu trabalho cabe apenas a mim e não a qualquer outra pessoa. O problema é quando o sentido falta e o preencho na observação dos êxitos alheios e não para os comemorar.

Feliz dia do “rir com os que riem” e do “chorar com os que choram”! (Rm 12,15)

segunda-feira, 8 de setembro de 2014

CRIMINOLOGIA - Sobre Laranja Mecânica




Quem viu e se sentiu provocado pelo filme, não pode deixar de assistir ao Programa Direito e Literatura sobre o tema. O programa é apresentado pelo Prof. Lênio Streck e neste episódio sobre o livro/filme traz o Prof. Salo de Carvalho. Ou seja, não é necessário explicar por que o programa é imperdível!

http://antiblogdecriminologia.blogspot.com.br/2010/09/laranja-mecanica.html  


Seguem alguns links com curiosidades sobre o filme:

http://cinema.uol.com.br/album/2013/04/25/conheca-15-detalhes-do-polemico-laranja-mecanica-de-stanley-kubrick.htm#fotoNav=1

http://omelete.uol.com.br/cinema/laranja-mecanica-curiosidades/#.VA3_t2OtH1U


 
Aqui uma explicação sobre o nome do livro/filme, bem parecida com o que imaginamos em sala de aula: 
 
O filme tem esse nome então, em decorrência de curiosos aspectos linguístos.
Ao final do livro de Anthony Burguess encontramos um glossário para a gíria “nadsat” falada pelos personagens. Um estudo mostra que a grande maioria das expressões deriva do russo. Por exemplo: Baboochka, do russo Babooshka (avó) ; Devotchka, do russo Devochka (garota). O livro foi escrito no auge da guerra fria e Burguess provavelmente imaginou ou brincou com a possibilidade de que a grande polarização econômica entre EUA e URSS iria gerar no futuro efeitos culturais e lingüísticos na Inglaterra. Outras expressões do glossário “nadsat” são gírias, trocadilhos, novos sentidos para velhas palavras, etc. O título original do livro, “A Clockwork Orange” não significa apenas a tradução literal – Laranja Mecânica. Uma das expressões encontradas no glossário com um novo significado é justamente orange, que além de laranja passa a designar também “homem”. Isto se dá por um trocadilho feito com a semelhança fonética de orange com orangutan (orangotango, primata altamente desenvolvido, e como o gorila e o chimpanzé, “parente” do homem). Ou seja, temos aí “Homem Mecânico”, que é o que Alex se torna após o condicionamento, um ser programado, sem poder de escolha. Outra versão seria de que o termo vem de uma velha expressão “Cockney” que designaria tipos estranhos (havia a expressão tão esquisito quanto uma Laranja Mecânica – “as queer as a clockwork orange”); há certa ironia em dizer que algo orgânico possa ter mecanismos e engrenagens.
     Alex De Large, o nome do personagem principal, além de ser anagrama de Alexandre, o Grande, tem um significado extra: A-lex, do latim sem lei. Ele é um ser guiado por seus instintos e interesses, desprovido de moral ou consciência.
FONTE: http://leticiaramoss.blogspot.com.br/2010/10/porque-clockwork-orange.html

quinta-feira, 28 de agosto de 2014

CRIMINOLOGIA - NEUROCRIMINOLOGIA


VEJA
Ciência
02 de Julho de 2013
Neurociência

Por dentro da mente dos criminosos

O psiquiatra britânico Adrian Raine estuda quais os fatores neurológicos, ambientais e genéticos por trás do comportamento violento. Em entrevista a VEJA, ele analisa uma série de assuntos delicados, como livre-arbítrio, maioridade penal, sistema prisional e até os protestos no Brasil

Por Guilherme Rosa
Adrian Raine, professor da Universidade da Pensilvânia Em entrevista ao site de VEJA, Adrian Raine afirma que, durante décadas, os cientistas só estiveram interessados nos componentes sociais da violência. "Agora estamos descobrindo as peças biológicas do quebra-cabeça" (Divulgação/University of Southern California)
O psiquiatra britânico Adrian Raine dedicou sua vida a entender como surge o comportamento violento. Para isso, o britânico já esteve em cadeias de segurança máxima, onde analisou o cérebro de criminosos perigosos e psicopatas. Também já esteve em maternidades, para estudar quais fatores ambientais podem influenciar na formação de adultos violentos. Hoje, ele é professor de psiquiatria e criminologia na Universidade da Pensilvânia, nos Estados Unidos, onde realiza estudos em áreas tão variadas quanto neurociência, genética e saúde pública para dar origem a um novo ramo da ciência: a neurocriminologia.
Adrian Raine acaba de lançar o livro The Anatomy of Violence (A Anatomia da Violência, inédito em português), no qual descreve como funciona o cérebro de um indivíduo violento e como uma série de tratamentos pode prevenir esse tipo de comportamento. Em entrevista ao site de VEJA, Raine analisa uma série de assuntos delicados, como livre-arbítrio, maioridade penal, sistema prisional e até os protestos no Brasil. De passagem por Porto Alegre, Raine marchou por três horas ao lado de manifestantes até o momento em que um grupo de vândalos entrou em confronto com a polícia. "Vandalismo, quebrar carros, roubar lojas — isso não é atacar o governo, mas atacar os cidadãos do Brasil. Penso que essas pessoas têm não só uma razão política para sua violência, mas uma razão biológica."
O cientista acredita que um dia será possível prever quem tem maiores chances de cometer um crime apenas por meio de imagens de seu cérebro. Mas adverte que esse cenário exigirá cautela: "Até porque minhas imagens cerebrais se parecem com a de um criminoso que matou 64 pessoas — eu tenho o cérebro de um serial killer".
Como a neurocriminologia pode ajudar a explicar os casos extremos de violência? A neurocriminologia é uma nova disciplina que estou começando a desenvolver nos Estados Unidos, que envolve a aplicação de técnicas da neurociência para entender as causas do crime. Nós tentamos juntar tudo que aprendemos nos últimos anos — na genética, técnicas de imagem cerebral, neuroquímica, psicofisiologia e neurocognição — para explicar porque algumas pessoas crescem para se tornar criminosos violentos. Queremos entender o cérebro por trás não só dos criminosos comuns, mas também o de psicopatas, criminosos de colarinho branco e homens que batem em suas esposas. Nós estudamos todo o leque de comportamento antissocial e observamos que, não importa a forma, existe uma base biológica para todos eles.
Todas essas formas diferentes de violência têm a mesma base cerebral?  Há diferenças. Por exemplo, minha equipe estudou psicopatas — os criminosos que não têm empatia nem remorso. Já sabíamos que eles têm um baixo funcionamento da amígdala, o centro emocional do cérebro. Nossa pesquisa mostrou ainda mais: que nesses indivíduos a estrutura física dessa área é 18% menor do que no resto da sociedade. Com o centro emocional reduzido e sem funcionar direito, os psicopatas passam a não sentir medo.  É por isso que eles quebram as regras da sociedade – pois não têm medo da punição. Quando estudamos homens que batem em suas esposas, no entanto, descobrimos que suas amígdalas são muito ativas, mas o córtex pré-frontal não funciona direito. O córtex pré-frontal é a área que regula as emoções. Nossa conclusão é que a alta atividade da amígdala resulta em reações exageradas a estímulos leves, como receber críticas da esposa — o que os deixa mais agressivos. Esses homens que respondem exageradamente aos estímulos não possuem os recursos cognitivos para controlar essa emoção. São formas diferentes de comportamentos antissociais, com tipos diferentes de predisposições biológicas.
Como se explica que problemas em áreas cerebrais específicas possam levar a comportamentos violentos? Quando temos de tomar uma decisão moral e pensamos em quebrar a lei (e todos nós já pensamos em fazer algo errado), ficamos ansiosos, com um pouco de medo. Esse é o freio de emergência que nos impede de quebrar as regras da sociedade. Mas esse freio não funciona direito nos psicopatas. Eles sabem o que é certo e errado, mas não têm o sentimento correspondente. E é esse sentimento, e não o conhecimento, que nos faz frear nosso impulso. Isso traz uma questão que me fascina. Como os psicopatas têm o motor emocional quebrado — e eles não têm culpa de possuírem essa disfunção —, será correto culpá-los e castigá-los por seu comportamento? Essa é uma questão que teremos que discutir no futuro.
Todo o comportamento violento pode ser explicado por disfunções no cérebro? Na verdade, encontrar as causas da violência é muito mais complexo do que isso. Só agora estamos começando a identificar com segurança quais as áreas cerebrais que, se prejudicadas, aumentam as taxas de violência. Mas esse é um quebra-cabeça com muitas peças. A amígdala é uma peça, o córtex pré-frontal é outra peça, e certamente há outras áreas cerebrais envolvidas. Mas também há outros tipos de peças. Não é só a biologia. Os fatores sociais também são importantes. Desemprego, pobreza, preconceito racial, maus tratos paternos e más condições de habitação e educação têm seu papel nisso — e inclusive podem afetar o desenvolvimento cerebral. Acontece que por décadas os pesquisadores têm estudado só essas peças sociais. Agora estamos descobrindo as peças biológicas do quebra-cabeça. O próximo desafio é colocar essas peças juntas.
Como essa técnica pode explicar a violência que irrompe em protestos, por exemplo? Pense nos manifestantes que vão às ruas no Brasil. Muitos deles são pacíficos. Eu fui a uma manifestação em Porto Alegre (o pesquisador esteve no Brasil no final de junho) e marchei com a população por três horas. Todos estavam tranquilos, muito organizados, não vi nenhum tipo de comportamento antissocial. Mas por volta das 21 horas, gás lacrimogênio foi disparado pela polícia e eu decidi que era hora de ir embora. Depois, fiquei sabendo que uma pequena minoria ficou por ali e praticou atos obviamente antissociais. Vandalismo, quebrar carros, roubar lojas — isso não é atacar o governo, mas atacar os cidadãos do Brasil. Se eu pudesse analisar o cérebro dessas pessoas, provavelmente veria que eles tinham uma baixa função da amígdala, a parte responsável pela consciência, remorso, culpa e medo. Penso que essas pessoas têm não só uma razão política para sua violência, mas uma razão biológica.
Mas nesse caso, as pessoas não podem estar agindo por pressão do grupo? Seguindo um comportamento de manada? Sim, a situação social é importante nesse tipo de comportamento. Mas repare que, mesmo com esse estímulo do grupo, só algumas pessoas quebram a lei. A maioria decide fugir.
Divulgação/ University of Southern California
Adrian Raine, professor da Universidade da Pensilvânia
Adrian Raine esteve no Brasil para participar do Congresso Mundial de Cérebro, Comportamento e Emoções, realizado em São Paulo, onde conversou com o site de VEJA
Em seus estudos, o senhor descobriu outros fatores que podem influenciar o comportamento violento? Minha equipe fez diversas pesquisas. Algumas se focam em fatores no começo da vida que afetam o desenvolvimento da criança. Por exemplo, mães que fumam ou bebem durante a gravidez — suas crianças têm de duas a três vezes mais chances de se tornarem adultos violentos. Estudamos crianças que tiveram problemas de parto ou pouca nutrição durante a gravidez, o que pode danificar sua estrutura cerebral. Também pesquisei outra área interessantíssima. Pessoas que possuem uma baixa frequência cardíaca quando estão em repouso têm uma probabilidade maior de agir agressivamente. Essa pesquisa foi replicada com êxito em muitos países. Isso acontece porque, quando alguém vai a um laboratório, para medir sua pulsação, isso causa um pouco de stress. Sua pulsação, normalmente acelera. Pessoas cuja pulsação não responde minimamente a stress não têm medo e, por isso, podem cometem mais crimes ou se envolver em brigas nas ruas.
Existe uma predisposição genética para a violência? O que nós já sabemos é que cerca de 50% da variação nas taxas de violência pode ser atribuída a fatores genéticos. Toda uma geração de pesquisas, realizada com irmãos gêmeos e filhos adotivos, mostrou que os fatores hereditários são, sim, importantes. A próxima geração de pesquisas é a molecular, que já começa a identificar quais os genes envolvidos. Até agora o mais estudado é o gene da monoamina oxidase A (MAOA), que, quando produz uma baixa quantidade de sua enzima, atrapalha o funcionamento de neurotransmissores. Indivíduos com essa mutação são particularmente suscetíveis ao comportamento antissocial, principalmente quando sofrem abusos na infância. Mas é muito importante destacar que nunca vamos descobrir um gene que seja, sozinho, responsável pela violência. Descobriremos vários, que serão associados a muitos outros fatores sociais. O ambiente também é importante por alterar o modo como os genes funcionam. O DNA é fixo, mas o modo como ele se expressa — e como afeta o cérebro — pode ser alterado pelo ambiente.
O ambiente pode explicar, por exemplo, a diferença entre a taxa de violência no Brasil e no Japão? Sim. Além de todos os fatores ambientais já citados, há muitos outros que podem fazer um país ser mais violento que outro. Os Estados Unidos, por exemplo, tem um alto índice de índice de assassinatos também por causa da grande disponibilidade de armas. Existe outro fator bem interessante do qual falo em meu livro. Nele, eu estudo 26 países e analiso como o consumo de peixes em cada local se relaciona com o índice de homicídios. No Japão, onde as pessoas consomem uma imensa quantidade, os índices são muito baixos. Em países do leste europeu, com baixo consumo de peixe, as taxas de homicídio são altas. Isso acontece porque o peixe possui ômega 3 — um ácido graxo de cadeia longa, que é vital para a estrutura cerebral e seu bom funcionamento. Ele também regula a expressão dos genes e o funcionamento dos neurotransmissores. Nossas pesquisas mostram que um cérebro disfuncional pode levar a um comportamento disfuncional. E um modo de melhorar o funcionamento cerebral pode ser simplesmente a alimentação com peixe.
O senhor está dizendo que aumentar o consumo de peixe pode diminuir as taxa de homicídio em um país? Em parte, sim. O caso do ômega 3 é interessante para pensarmos no desenvolvimento de novos tratamentos. Duas pesquisas já mostraram que dar óleo de peixe para prisioneiros pode reduzir o número de crimes cometidos na cadeia em até 35%. O primeiro desses estudos foi feito na Inglaterra e replicado na Holanda. Minha equipe realiza estudos com crianças, que também mostram que fornecer ômega 3 para pessoas de 8 a 16 anos ajuda a reduzir a agressão e o comportamento antissocial nessa fase da vida. Há uma mensagem por trás disso: biologia não é destino. Nós podemos mudar os fatores de risco que dão origem ao comportamento agressivo.
Então o comportamento violento pode ser prevenido? Nós sabemos que, se pudermos melhorar o funcionamento do cérebro, podemos melhorar o comportamento. E existem estudos que colocaram isso em prática. Em um deles, enfermeiras visitaram mães durante sua gravidez e nos dois primeiros anos de vida da criança. Elas aconselhavam as mulheres a parar de beber e fumar, ensinavam qual a nutrição adequada, mostravam as necessidades psicológicas dos bebês. Ao comparar o resultado dessas crianças com o de um grupo de controle, que não recebeu as visitas, os pesquisadores descobriram que a delinquência juvenil caiu pela metade. Nós fizemos um estudo com crianças de três anos, no qual fornecemos uma melhor nutrição, mais exercícios físicos — que resultam no desenvolvimento de novas células nervosas — e exercícios cognitivos durante dois anos. Oito anos depois, essas crianças tinham melhores funções cerebrais, elas estavam mais alerta e atentas e seus cérebros pareciam ser pelo menos um ano mais maduros do que o grupo de controle. Não é só isso: seguimos essas crianças até os 23 anos e vimos uma redução de 34% no número de infrações penais. Há uma última técnica que pode ser útil, que é a meditação. Estudos mostram que ela melhora o funcionamento do lóbulo pré-frontal — uma área cerebral que sabemos estar disfuncional em indivíduos violentos. Essa técnica ainda não foi testada em prisioneiros. Isso porque os cientistas relutam em reconhecer que existem bases cerebrais para o comportamento violento. Espero que meu livro abra as portas para esse novo campo de pesquisas.
Então é possível tratar até o cérebro de adultos? Nós sabemos que nunca é cedo demais para intervir no caso de crianças e nunca é tarde demais para tratar os adultos. Os estudos com ômega 3 mostram isso. O cérebro é um órgão muito plástico.
Do ponto de vista da neurociência, quando o cérebro está maduro e a pessoa pode ser julgada como um adulto? Essa questão é bastante debatida em todo o mundo. O que sabemos é que o cérebro humano não está completamente maduro até os 20 anos. Os adolescentes de 15 e 16 anos são impulsivos, não controlam suas emoções, porque seu córtex pré-frontal não está completamente desenvolvido. Em alguns casos, ele demora até os 30 anos para se desenvolver, e sabemos que disfunções nessa região são encontradas em criminosos. Acho que faz sentido levar em conta o desenvolvimento cerebral para analisar conceitos como a responsabilidade penal, mas não existe uma linha mágica. Há pessoas de 19 anos com cérebros funcionando como o de indivíduos de 16 anos, mas também existem pessoas de 15 com cérebro de 20. No futuro, poderemos usar outras medidas de maioridade neural, que usem imagens cerebrais para analisar se uma pessoa é responsável por seu comportamento. Mas é claro que hoje temos de ser práticos e decidir uma idade de corte. Nesse caso, fixá-la em 18 anos não me parece ruim.

Videoteca básica

Minority Report
Minority Report Uma força policial capaz de prever quem vai cometer crimes e agir antes que eles aconteçam é o tema do filme Minority Report, de 2002 (baseado num conto homônimo do autor de ficção científica Philip K. Dick, escrito em 1956). A história se passa nos Estados Unidos, em 2045. O sistema parece funcionar perfeitamente — a cidade passa anos sem registrar nenhum homicídio — até que um dos policiais responsáveis por prevenir os crimes (interpretado por Tom Cruise) é apontado o próximo assassino.

Diretor: STEVEN SPIELBERG
O sistema judiciário pode usar imagens cerebrais para julgar alguém ou prever suas chances de cometer crimes? É possível, mas nós ainda não podemos colocar isso em prática. Pesquisas iniciais, feitas neste ano, mostraram que imagens cerebrais ajudam a prever melhor quais criminosos podem voltar a cometer atos violentos nos próximos três ou quatro anos. Atualmente, a justiça usa fatores demográficos como idade, gênero, emprego e histórico para prever quais indivíduos são mais perigosos. Os juízes têm de fazer isso o tempo todo, quando decidem se condenarão alguém a trabalhos comunitários ou à cadeia. As técnicas de imagem cerebrais estão começando a nos dar mais informações que podem ajudar a saber se determinado indivíduo é um perigo para a sociedade.
O senhor não tem medo que isso leve a algum tipo de abuso, com indivíduos sendo presos por causa de seu perfil cerebral? Na verdade, sim – como no caso do filme Minority Report. Nele, a polícia impede os crimes antes que aconteçam. Um grande medo que tenho é que no futuro usemos a genética, as imagens cerebrais e outros fatores neurobiológicos para prever a violência e aprisionar as pessoas antes mesmo de elas cometerem qualquer crime. Isso me preocupa.  Até porque minhas imagens cerebrais se parecem com a de um criminoso que matou 64 pessoas — eu tenho o cérebro de um serial killer. Além disso, tenho outros fatores biológicos para o crime, como baixa pressão sanguínea, e tive problemas de nutrição e no parto. Se esse cenário acontecer o futuro, eu seria um dos primeiros a ser preso. Acho que devemos tomar muito cuidado nessa área. Existe uma tensão entre proteger as liberdades civis — e não prender ninguém por probabilidade — e  a necessidade de proteger a sociedade. Essa é a tensão que teremos de enfrentar no futuro.
O senhor falou sobre a influência do cérebro, da genética e do ambiente no comportamento. Onde fica o livre-arbítrio? Esse é outro desafio da minha área de pesquisas que costuma deixar muitas pessoas desconfortáveis. Pense em um bebê inocente, cuja mãe fumou e bebeu na gravidez, que teve uma nutrição ruim e problemas no parto, com genes que podem resultar em mau comportamento, com problemas de habitação e de educação durante seu desenvolvimento. Nós sabemos que essa criança tem muito mais chances de se tornar um adulto violento. Uma pergunta que surge a partir disso: será que essa pessoa tem livre-arbítrio? Ela é responsável por seus atos? Em meu livro, eu digo que o livre-arbítrio é reduzido em algumas pessoas, logo no começo de suas vidas, por influências que estão além de seu controle. O livre-arbítrio tem vários tons: a pessoa pode ter total livre-arbítrio, pouco, ou quase nenhum. Acho que devemos levar isso em conta no sistema judicial, na hora de punir as pessoas. Existe um caso real de um indivíduo que teve um tumor em seu córtex pré-frontal que o transformou num pedófilo. Os médicos retiraram o tumor, e seu comportamento voltou ao normal. Será que ele era tão responsável por seus atos quanto alguém que fez a mesma coisa e não tinha o tumor? Essa é a dificuldade e a tensão desse campo de estudos, e elas não serão superadas de modo fácil. Em um nível, é importante reconhecer os fatores de risco que conspiram para diminuir o livre-arbítrio. Mas também temos de levar em conta a igualdade e a justiça, buscando uma lei igual para todos. Não tenho respostas no momento. Esse é um debate aberto.

A ciência pode explicar a crueldade?
Novas pesquisas mostram como alterações nas funções cerebrais, causadas pela genética e pelo ambiente, podem levar ao comportamento violento
http://veja.abril.com.br/noticia/ciencia/a-ciencia-pode-explicar-a-crueldade/
Por: Guilherme Rosa04/05/2013 às 17:02 - Atualizado em 04/05/2013 às 17:02
Descrição: crimeA falta de empatia pode ser explicada por alterações no funcionamento de determinadas áreas cerebrais. Mas será que isso tira a responsabilidade do indivíduo na hora de apertar o gatilho?(Thinkstock/VEJA)
Nas últimas semanas, uma série de crimes desumanos chamou a atenção da sociedade brasileira. Casos como o da dentista queimada dentro de seu consultório em São Bernardo do Campo ou o da turista estuprada oito vezes dentro de uma van no Rio de Janeiro chocam pela extrema crueldade com que os criminosos trataram suas vítimas e levantam questões sobre como esse tipo de comportamento é possível. O que leva alguém a deixar qualquer resquício de empatia de lado e agir de modo tão sádico com outro ser humano?
As discussões sobre os motivos que levam um indivíduo a agir violentamente costumam ser polarizadas entre duas posições radicais, ideologicamente opostas. De um lado, alguns defendem que o comportamento cruel é uma questão de caráter. Os criminosos seriam naturalmente ruins e, por isso, irrecuperáveis. Do outro lado, alguns defendem que os indivíduos violentos são apenas vítimas do ambiente em que cresceram, traumatizados por uma sociedade desigual e insensível. As pesquisas mais recentes mostram, no entanto, que a crueldade é mais do que apenas uma questão de maldade inata ou de traumas de criação. Na verdade, um novo campo de estudos - a neurocriminologia - mostra que o comportamento violento tem uma série de fatores que se originam em um único lugar: o cérebro humano.
Em 2008, pesquisadores do Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos revisaram uma série de estudos que usaram exames de ressonância magnética para analisar o cérebro de indivíduos violentos. Como resultado, descobriram que disfunções em duas áreas cerebrais ligadas às decisões morais podem estar associadas a esse tipo de comportamento. Uma delas é a amígdala, área ligada à resposta aos perigos. Um estudo de 2009 mostrou, por exemplo, que os psicopatas têm a região 18% menor do que os outros indivíduos. A outra disfunção detectada na pesquisa é a baixa atividade do lóbulo frontal do cérebro, região associada à regulação dos comportamentos impulsivos. Um grande número de casos clínicos mostrou que ferimentos nas partes inferiores dessa área podem levar a sérias alterações de comportamento.
Um estudo publicado este ano mostrou que outra região - o córtex singulado anterior - também está associada a crimes violentos. A partir de exames de ressonância magnética, os pesquisadores conseguiram mostrar que ex-detentos com baixa atividade na área têm duas vezes mais chances de serem presos novamente. Com as técnicas cada vez mais avançadas de imagem cerebral, os pesquisadores estão conseguindo mostrar quais alterações podem levar um indivíduo a ser extremamente cruel. Falta mostrar o que causa essas alterações.
Anjinhos e demônios - Muitas vezes, o comportamento antissocial pode vir desde o berço. Uma pesquisa publicada nesta quinta-feira na revista Current Biology mostrou que crianças com graves problemas de conduta, que incluem agressão, roubo e crueldade, não reagiam à dor alheia do mesmo modo que as outras. Ao serem expostas a imagens de outras pessoas sofrendo, as áreas cerebrais associadas à empatia eram ativadas de forma menos intensa, como se o sofrimento dos outros pouco lhes importasse.
Um estudo clássico de 1984, publicado na revista Science, mostrou claramente que existe, sim, um componente genético nos comportamentos violentos. Os pesquisadores analisaram o histórico de 14.000 indivíduos que foram criados por pais adotivos. Eles descobriram que aqueles que eram filhos biológicos de pais com histórico criminal tinham muito mais chances de cometer crimes quando adultos - mostrando que a influência genética poderia ser mais importante do que educação familiar.
Após a publicação desse estudo, dezenas de outras pesquisas, em sua maioria com gêmeos idênticos, mostraram que o comportamento violento é em grande parte hereditário. Pesquisadores já começaram a identificar algumas mutações genéticas que podem estar relacionadas a esse tipo de personalidade, como as que atingem os genes COMT, 5-HTT ou MAOA. O último, por exemplo, está associado à produção da proteína monoamina oxidase A, que, quando em pequenas quantidades, provoca uma redução da amígdala cerebral.
Os cientistas deixam claro, no entanto, que não dá para culpar o DNA por toda a crueldade vista no mundo. Em 2010, o pesquisador Christopher Ferguson, da Universidade Internacional do Texas A&M, realizou uma revisão de 38 estudos sobre as raízes da violência feitos com gêmeos e crianças adotadas. Ao resumir os resultados, ele calculou que 56% das variações no comportamento antissocial poderiam ser explicadas pela genética. O resto deveria ser debitado ao ambiente. "A mais importante lição que a ciência pode nos dar é que não devemos discutir se é uma questão de natureza ou criação. É uma questão de natureza e criação", diz Tracy Gunter, psiquiatra da Universidade de Indiana, que também realizou uma revisão dos estudos da área.
Traumas - Historicamente, uma série de pesquisas mostrou que agressões e traumas sofridos na infância podem alterar o cérebro e o comportamento do indivíduo, deixando-o menos sensível à dor alheia e mais propenso à violência. "O ambiente fornece uma série de elementos estressantes que, se não forem exagerados, podem nos ajudar a crescer. Mas, se forem muito grandes, nós podemos passar a exibir problemas no modo como nos desenvolvemos e interagimos com esse mesmo ambiente", diz Tracy Gunter.
Uma pesquisa conduzida por Gunter em 2012 analisou o passado de 320 presidiários. Aqueles que haviam sofrido algum tipo de abuso na infância possuíam uma tendência maior a desenvolver comportamentos antissociais e psicóticos - assim como um risco maior de suicídio.
É claro que nem todos que passam por situações traumáticas desenvolvem algum tipo de comportamento antissocial. Muitos superam seus problemas e são capazes de levar uma vida normal. Nem a genética e nem o ambiente explicam 100% da crueldade- ela surge a partir da interação complexa desses fatores. Um estudo publicado em 2007 na revista PLos ONE, por exemplo, mostra que eventos traumáticos sofridos nos primeiros quinze anos de vida costumam ser superados sem desencadear grandes distúrbios. No entanto, quando esses traumas acontecem em indivíduos com baixa atividade no gene MAOA, eles se tornam um grande fator de risco para o comportamento antissocial. "Uma teoria plausível é que, na presença de uma quantidade menor da proteína do MAOA, o cérebro se torna mais sensível ao stress, principalmente durante o período de desenvolvimento", diz Gunter.
Saiba mais
EPIGENÉTICA
É o nome que se dá para as mudanças que acontecem nos genes sem, no entanto, alterar o código genético de um indivíduo. É diferente de uma mutação. Em uma mutação, o código genético é alterado. Já a mudança epigenética só altera a forma como um gene funciona. Essa mudança pode ser causada por fatores ambientais, como poluição ou mesmo pela prática de exercícios, e pode ser passada para as gerações seguintes.
Outro estudo publicado no ano passado no periódico The British Journal of Psychiatry mostrou outros fatores de risco que, quando associados à mutação no MAOA podem levar ao comportamento violento, como QI baixo, má educação e o fato de a mãe ter fumado durante a gravidez. "Nós temos entendido cada vez mais como o genoma é regulado, através do estudo da epigenética. Muitos fatores podem estar associados com mudanças que afetam as funções dos genes, como o consumo de álcool, desnutrição e stress ambiental", afirma a pesquisadora.
Contra o determinismo - Os pesquisadores destacam que essas conclusões não significam que os indivíduos não são responsáveis por seus atos. Por mais que existam fatores genéticos e ambientais que possam influenciar algum tipo de comportamento, o ser humano é, na maioria das vezes, livre para agir. "Há décadas, ou até séculos, sabemos que nossas escolhas são restritas por fatores que estão além de nosso controle. Isso não significa, no entanto, que não tenhamos a liberdade de escolher", diz Gunter.
Em alguns casos, principalmente naqueles em que algum tipo de insanidade é diagnosticada, os fatores biológicos podem realmente se sobrepujar à capacidade de escolha do indivíduo. Em outros, a decisão de agir de maneira cruel tem pouca ou nenhuma influência genética ou ambiental. "No entanto, para a maioria de nós, o ambiente e a biologia vão existir em algum ponto entre esses dois extremos. Esse é um campo de estudos sobre a complexidade, e não o reducionismo."