domingo, 27 de novembro de 2011

Quantos mundos cabem no mundo?

Sempre que me deparo com realidades discrepantes repito este mesmo comentário: “há muitos mundos dentro do nosso mundo.”
Recentemente duas experiências me deram mais uma grande demonstração disso.
A Faculdade Campo Real, aonde trabalho, colaborou (diga-se, de forma brilhante!) em um evento organizado por uma escola particular de nossa cidade. Tratava-se de uma feira de profissões, aonde cada curso expôs seus trabalhos, no intuito de incentivar os projetos de futuro dos alunos.

Um belo ginásio. Uma bela escola. Belíssimos alunos.
Eram crianças e adolescentes realmente privilegiados. Têm famílias que os apóiam e podem arcar com os custos de uma boa escola. Frequentam uma escola de qualidade, aonde professores, funcionários e direção aparentam realmente se importar e conhecer cada um deles.
Eram crianças e adolescentes bonitos, limpos, cheirosos, bem arrumados, coloridos e com muitas cores para escolher.
Eram crianças e adolescentes que têm planos, que sabem onde estarão no futuro, que conhecem os caminhos necessários para chegar aonde pretendem chegar e têm todos os meios para isso.
Eram crianças e adolescentes que são prioridade na vida de muita gente.
Um dia antes estive com um grupo de mulheres de um bairro, conversando sobre violência. No dia seguinte estive em uma das comunidades mais pobres de Guarapuava, são outros mundos.
Não foi a primeira (e certamente nem a última) vez que estive lá, mas voltei realmente pensativa.
Eu daria uma palestra para um grupo de pessoas, voluntárias, que se reuniriam para juntar o lixo das ruas ao seu redor. Quem lhes prometera os sacos de lixo, não apareceu. Ao chegar ao lugar aonde eu conversaria com eles, entendi porque a pessoa que me convidou achou tão estranho quando perguntei se poderia usar data show.
Não existe estrutura nenhuma. Só existe entulho.
A palestra acabou nem acontecendo.
Ruas, casas e pessoas, todos improvisados, todos remendados. Sem cor, desbotados.
Muitos dos moradores trabalham com coleta e separação de lixo.


Lixo é alguma coisa que a gente não quer por perto, algo sujo, mal cheiroso, que já não tem utilidade. (o que vi lá me fez lembrar muito do Ilha das Flores, que já citei aqui)
É interessante observar que o local em questão, evidentemente, não está perto, fica realmente isolado, há como que um vale vazio entre “eles” e “nós”, um espaço sem construções, sem casas, sem comércio, sem nada.

Eles aqui. Nós lá.

É angustiante imaginar o tamanho do esforço que uma criança de lá precisará fazer se quiser tornar a sua vida um pouquinho melhor do que tem sido até então. Tudo é mais difícil, tudo é árido, seco, pesado, tudo é longe.
Encontramos um grupo de meninos que pretendia se inscrever para um torneio de futebol que a (admirável) associação de moradores estava organizando. Procurando então pelo local aonde as pessoas estavam se mobilizando, perguntamos aonde ficava o campinho. Não havia campinho, não há praça, não há parque. Só um pedaço de terra batida, com traves improvisadas.
Aqueles, como quaisquer outros meninos, pelo menos por enquanto, só queriam se divertir jogando bola. Não encontrarão um campo.
Encontrarão sim vários bares espalhados por lá, com mesas de sinuca e jogos caça níqueis. E é impossível olhar para tais bares e não pensar em relatos de inquéritos policiais ou denúncias: “fulano de tal, vulgo fulano de tal, às 23h37min, no estabelecimento comercial denominado bar da ..., localizados na vila ..., com animus necandi...”
Não, não estou fazendo a relação direta entre miséria e criminalidade.
Estou sim fazendo a relação direta entre a total falta de perspectiva de vida e a criminalidade.
Sempre me angustio por pensar que os pequenos projetos sociais que propomos na faculdade não mudam em nada a vida das pessoas com quem entramos em contato.
Mas sempre me convenço novamente que qualquer pequeno movimento em direção a eles (acho horrível esta minha forma de expressar nossa distância, “eles e nós”, mas ela existe, eles estão em outro mundo), qualquer gesto que demonstre empatia, incentivo, carinho, pode ser a semente de um horizonte novo na vida de uma dessas crianças.
Uma tarde em contato com alunos de uma faculdade, dispostos a estar com eles e lhes levar algo novo, pode fazer muita diferença. Uma tarde dentro da faculdade, conhecendo seus prédios, auditório, cantina, recebendo o carinho de um presente de Natal, pode lhes fazer lembrar que há quem ainda se importe.
Por isso vale a pena insistir.
E o triste é que vejo ainda um terceiro mundo, que é o daqueles que poderiam fazer algo por tais pessoas e, ao contrário, aproveitam esta mesma oportunidade apenas em benefício próprio e em prejuízo de toda a coletividade.
Notícias de pessoas que têm a coragem de desviar dinheiro que pagaria merenda escolar para comprar ração de cachorro, isso sim dá nojo e não o lixo que sustenta a difícil vida de tantas pessoas tão iguais e tão diferentes de mim.
É contra isso que vale a pena ensinar.

Há quem goste de passear por cemitérios ou hospitais para lembrar de nossa finitude. Eu gostei de meu passeio de ontem.

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Nova Sessão no Blog: "DOZALUNO"

Então vamos lá inaugurar uma sessão aqui no blog.
Costumo receber dicas, links e muitas sugestões muito interessantes, enviadas por alunos.
Daí o marcador "dozaluno"!
Fiquem todos à vontade para enviar sugestões de todo tipo: filmes, livros, músicas, textos e notícias relacionados às aulas, etc, será tudo compartilhado por aqui.
A tirinha abaixo veio da Raiana Barbosa, que astutamente observou a relação entre a tirinha e a Teoria do Labelling Approach.


A referida teoria trabalha principalmente com a noção de que a qualidade de criminoso não é ontológica ao indivíduo assim considerado ou às condutas que pratica e sim fruto da reação social à conduta.


Muda-se o foco dos “bad actors” para os “powerfull reactors”.

Desvio é um processo em que um grupo interpreta um comportamento como desviante, definem uma pessoa que assim se comporte como desviante e acionam um tratamento a dada pessoa.

Além disso, os Crimes do colarinho branco são os mais comuns entre as chamadas “Cifras Ocultas” ou “Douradas”.

Há diferenças na atuação do sistema contra estes crimes, o que se justifica por fatores de 3 naturezas:
- Social
- Jurídico-formal
- Econômica

DOZALUNO - CIÊNCIA POLÍTICA - Para pensar em Democracia

Contribuição da Louize Bida:

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Admirável Mundo Novo

CIÊNCIA POLÍTICA - ADMIRÁVEL MUNDO NOVO

"Os dias se passaram. O sucesso subiu à cabeça de Bernard e, nessa operação, reconciliou-o completamente (como devia fazer um bom intoxicante) com um mundo que até então ele julgava muito insatisfatório. Enquanto fosse considerado importante, a ordem das coisas parecia-lhe boa." (Aldous Huxley)


A seguir, boas músicas que nos ajudam a pensar na diluição da individualidade na coletividade.









quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Oração em preparação para os 50 anos de MCC Brasil

ORAÇÃO DE PREPARAÇÃO PARA O JUBILEU DE OURO DA PRESENÇA DO MOVIMENTO DE CURSILHOS DE CRISTANDADE NA IGREJA DO BRASIL

Senhor, neste tempo em que nos preparamos para celebrar o Jubileu de Ouro da presença do Movimento de Cursilhos de Cristandade em nosso país, queremos viver uma experiência de profunda Ação de Graças.
Agradecemos a Deus Pai que inspirou, a um grupo de sacerdotes e leigos, a peregrinação de milhares de jovens a Santiago de Compostela, fazendo assim nascer a semente, deste movimento que se tornaria verdadeira benção para a Igreja e providencial instrumento de renovação cristã na transformação evangélica dos ambientes.
Agradecemos a Deus Filho, pois, a partir do encontro pessoal com Ele e do seguimento de suas pegadas, em comunhão com aqueles que Ele instituiu como Pastores, temos buscado cumprir nossa missão, sendo fermento, sal e luz.
Agradecemos a Deus Espírito Santo que não cessa de oferecer à Igreja o dom de Pentecostes, capaz de conceder aos que o pedem, o ardor e o entusiasmo para relançar, com fidelidade e audácia, a missão transformadora deste Movimento que nos quer discípulos missionários, fiéis ao nosso carisma de formadores de pequenas comunidades de fé.
A São Paulo Apóstolo, nosso celestial Patrono e modelo, pedimos que nos inspire na tarefa de evangelizar nossa cultura, tão distanciada dos valores anunciados por Jesus, e nos ajude a mostrar a face do Mestre a todos os homens e mulheres, sobretudo aos que se distanciaram do caminho que a Ele conduz.
A Maria, Mãe da Igreja e primeira discípula missionária, pedimos que nos acolha e nos guarde em sua maternal proteção, ajudando-nos a renovar nosso compromisso de construtores do Reino. Amém.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

CIÊNCIA POLÍTICA - Para pensar em Igualdade Material




Programa humorístico do MultiShow faz uma brincadeira com a política de cotas. Veja em http://multishow.globo.com/Sensacionalista/Videos/_1542614.shtml


 
O projeto de um deputado federal promete mudar a cara da propagando brasileira. A nova lei cria a cota para feios. De acordo com o novo projeto, pelo menos 20% das pessoas que aparecerem em comerciais de TV, jornais ou revistas deverão ser feios.