segunda-feira, 23 de novembro de 2015

Apenas células?

Recentemente passei por duas experiências marcantes na vida de qualquer pessoa e especialmente na vida de uma mulher. Tive a alegria de saber que estava grávida e a tristeza de saber que o meu bebê havia parado de se desenvolver com 9 semanas de vida.

Já havia lá um forte coração que ainda na sexta semana de gestação eu e o pai dele ouvimos.

Na oitava semana o coração ainda batia forte, mesmo em um corpinho de apenas 2 centímetros, aonde os dois hemisférios cerebrais já começavam a ser vistos na ecografia.

Não era o plano divino que esta vida continuasse conosco e eu agora já assimilei muito bem isto, compreendendo que tudo concorre para o bem dos que amam a Deus. Sempre.

Porém, algo que vi publicado nas redes sociais há alguns dias quase me causou mais pesar do que a perda do bebê.

Foi muito doloroso ler uma publicação afirmando que até a 12ª semana trata-se apenas de um amontoado de células.

Eu gostaria então de dizer a quem compartilhou e acredita nisto que eu e meu marido não perdemos um amontoado de células, nós perdemos um filho ou uma filha.

Afirmações do tipo “a mulher é dona do seu corpo” nunca me convenceram, afinal de contas: e do corpo do bebê, quem é dono? Mas agora, depois de ter vivido a experiência de ser mãe estou ainda mais convencida de que durante os dias em que tive meu bebê comigo eu é que pertencia a ele.

Penso que levar ou não adiante uma gestação é decisão que recai sobre a consciência dos pais, cabendo a estes decidir sobre seus padrões morais e as consequências de suas escolhas, sendo discutível até que ponto cabe ao Estado interferir.

O que não admito é que se afirme que não se trata de uma vida. Independentemente das circunstâncias em que tenha sido gerada.

A palavra aborto é apenas um nome mais específico para uma realidade que não há como esquecer: em muitos casos esta palavra se refere sim  a uma morte e em outros tantos se refere a um assassinato.